Vídeos relacionados

Loading...

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Hérnia de Disco

          A Hérnia de Disco se dá quando uma parte, ou até mesmo o disco inteiro, “escorrega” para trás ou para o lado. O disco é composto por um núcleo, que chamamos de núcleo puposo e por um anel redondo, chamado de anel fibroso. Tanto o núcleo quanto o anel podem escorregar, causando uma pequena hérnia, denominada protusão ou uma hérnia maior, quando afeta essas duas composições. Os especialistas explicam que embora tenhamos discos entre todas as vértebras: cervical, dorsal ou lombar, a hérnia mais comum é a da região lombar. Na grande maioria das vezes, a hérnia é causada por fatores degenerativos
          Com o passar do tempo, o disco perde altura e água, e vai se degenerando. As fibras começam a apresentar alterações e isso, associado ao nosso estado de “andar em pé”, tende a romper para trás, o que provoca a hérnia posterior. Existe ainda a hérnia póstero-lateral, quando escorrega para trás e para o lado, podendo comprimir algumas raízes nervosas e, no caso da coluna lombar, raízes do ciático, provocando as conhecidas “dores ciáticas”, que podem irradiar até o pé, gerando “queimação” e “formigamento”. É geralmente entre L4 e L5 e entre L5 e S1 comprimindo as raízes L5 e S1, respectivamente. Mesmo sendo incomum, há herniação L3 e L4. (CECIL, 1992).

          A maioria dos casos é tratada de forma conservadora, ou seja, através de medicamentos, repouso nas crises, orientação postural, fisioterapia e alongamento muscular. Somente quanto o tratamento não evolui é que o paciente é conduzido para uma cirurgia
          Os fatores etiopatogênicos são: traumas, infecções, malformações congênitas, doenças inflamatórias e metabólicas, neoplasias, distúrbios circulatórios, fatores tóxicos, fatores mecânicos e psicossomáticos.


Tratamento clínico

Há dois tipos de tratamento para a Hérnia:
O tratamento tem o objetivo de restabelecer a estabilidade da coluna vertebral comprometida com a ruptura da estrutura discal. Não basta sedar a dor, mas sim restabelecer o equilíbrio da unidade funcional. O tratamento pode ser conservador como repouso, bloqueio anestésico, uso de analgésicos e antiinflamatórios, calor, fisioterapia e reeducação através de exercícios corporais.
Já a cirurgia é aconselhada para garantir o restabelecimento da resistência e estabilidade da coluna vertebral. Sendo esta uma estrutura que suporta grandes cargas, apenas a retirada da hérnia não alcança esse objetivo principal, sendo necessário à fixação dos elementos operados.
Assim, cirurgias de apenas ressecção parcial ou total do disco, estão fadadas ao descrédito, pois em seus resultados a médio e longo prazo os pacientes revelam-se incapacitados para exercer atividades físicas e, na maioria das vezes, há uma reincidência do quadro álgico.
Quando a hérnia ocorre na região cervical, a dor é uma cérvico-braquialgia, ou seja, inicia-se no pescoço e se irradia pelo braço. Além da dor, pode haver alterações da sensibilidade (parestesia).

Tratamento Fisioterápico

          O objetivo é recuperar a função, desenvolver um plano de assistência a saúde da coluna e orientar o paciente sobre como evitar recorrências de protusão de disco. Com a fisioterapia, Adquirimos liberação, relaxamento da musculatura contraturada, fortalecimento dos músculos abdominais e da região dorsolombar e desenvolvimento de apoio muscular ao redor da coluna
          Pacientes que apresentam sintomas graves devem permanecer em repouso no leito e realizar apenas caminhadas curtas em intervalos regulares. A caminhada provoca uma extensão lombar e estimula o mecanismo dos líquidos, promovendo diminuição do edema no disco e nos tecidos conectivos. Se o paciente não conseguir permanecer ereto, deverá utilizar muletas, que melhoram a postura, evitando a postura inclinada para frente. Para pacientes que não conseguem realizar flexão repetida, devemos evitar esse movimento e enfatizar o tratamento em movimentos de extensão. Procedimentos: em decúbito ventral, colocar travesseiros no tórax do paciente e ir aumentando progressivamente a quantidade de travesseiros até o paciente conseguir se apoiar nos cotovelos. O paciente deve permanecer nessa posição de 5 a 10 minutos, para promover a extensão, permitindo o deslocamento do disco com subseqüente centralização ou diminuição dos sintomas. Se o paciente tolerar esse movimento, deverá realizá-lo várias vezes ao dia.
           Para corrigir desvios laterais, procedimento: "coloque o paciente em decúbito lateral, com o lado do desvio torácico para baixo. Um pequeno travesseiro ou rolo de toalha é colocado sob o tórax. O paciente permanece nessa posição até que a dor centralize; então vira para o decúbito ventral e começa a fazer extensão passiva com flexões de braço em decúbito ventral".
         Quando o paciente iniciar os movimentos de flexão, ele deve realizar exercícios de protusão anterior. Procedimento: em decúbito dorsal o paciente traz os joelhos até o tórax e mantém essa posição durante alguns minutos, essa posição deve ser repetida várias vezes e progredir, realizando o movimento sentado e em pé, esses exercícios de flexão da coluna diminuem a dor porque alargam os forames.
         A tração pode ser tolerada pelo paciente durante o estágio agudo e tem a vantagem de alargar o espaço discal e possivelmente reduzir a protusão nuclear diminuindo a pressão no disco, ou colocando tensão no ligamento longitudinal posterior.
         Orientar o paciente sobre percepção postural, estabilização, exercícios de fortalecimento de tronco, e aumento da resistência à fadiga; além de recomendar exercícios de fortalecimento de membros inferiores para dar suporte ao corpo e para usar o mecanismo corporal. Também devem ser fortalecidos os membros superiores para desviar a sobrecarga do tronco.
         Avaliar as atividades de vida diária (AVDS) do paciente, e verificar se elas interferem na patologia, orientar o paciente a evitar posturas de flexão, mas se não for possível, a cada meia hora deverá realizar inclinação da coluna para trás, evitando a progressão dos sintomas.
         Eletroterapia: as correntes dinâmicas, as correntes de interferência e o ultra-som devem ser aplicados nesses pacientes, bem com aparelhos que causem analgesia e calor, o Laser é uma opção plausível.
         Reeducação Postural Global (R.P.G.), para fins de correção postural, orientações, exercícios ativos e a orientação postural, que ensina ao paciente como realizar exercícios significativos durante suas atividades de vida diária,
          Hidroterapia é indicado pois a água evita com que ó disco sofra compessão durante os exercícios, esses exercícios devem ser realizados de maneira cautelosa, sempre acompanhada de um profissional fisioterapeuta.
          Alongamento devem ser realizados todos os dias, necessários para manter a musculatura preparada para as AVD's previnem o aparecimento de contraturas, estiramentos e favorecendo assim a mobilidade da coluna vertebral, quando a presença de dor, é necessário tomar alguns cuidados, sempre peça orientação de exercícios ativos, tais como os alongamentos, para um profissional fisioterapeuta.


Orientação Postural


          A postura é um fator importante no dia a dia, para que possamos evitar as dores musculares e articulares. A má postura por si só causa dor, ainda mais se estamos realizando uma tarefa em situação de má postura, dormindo em colchão inadequado, e pior ainda, em posição incorreta. Situações no dia-a-dia podem evitar diversos fatores que podem gerar lesões ou desvios que, juntamente com a dor, propiciarão desconfortos e problemas futuros. A má postura pode ser evitada com simples atitudes que serão listadas abaixo:




1. Ande o mais ereto possível, (imagine-se caminhando equilibrando um livro na cabeça) endireite seu corpo, olhe acima do horizonte ao andar.








2. Evite dobrar o corpo quando, estando em pé, realizar um serviço sobre uma mesa, balcão, bancada, levante o que está fazendo.









3. Quando estiver sentado, não cruzar as pernas, manter as costas retas, usar todo o assento e encosto.





4. Dormir sempre de lado, com as pernas encolhidas, travesseiro na altura do ombro, não muito macio que mantenha a distância do colchão, usar colchões com densidade adequada a seu peso e altura. (D 23, 28, 33, etc) Para casais, existem colchões com densidades diferentes em cada lado.(D 28 com D 25, D 33 com D 28 etc) Cama com estrado firme, e que não deforme com o seu peso.

 



 5. Evitar levantar pesos do chão, acima de 20 % do seu peso corporal, abaixe-se como um halterofilista.


  






6. Não colocar pesos acima dos ombros e cabeça em prateleiras altas, use um banco.





 



7. Não carregue bolsas pesadas inutilmente, durante o dia todo. Não carregue bolsas de um mesmo lado, divida o peso, carregando com os dois braços.




8. Evitar torções do pescoço ou do tronco, evite assistir TV e ler na cama.



 

 9. Evitar uso prolongado de sapatos altos, eles além de provocar dores nas costas por interferir no centro de equilíbrio do corpo (fig. 9)e conseqüente esforço muscular para equilibrar, (fig.9.a) também sobrecarregam a parte anterior no pé, provocando (especialmente se forem do tipo "bico fino") ou piorando o joanetes, provocando dores por sobrecarga nas cabeças dos metatarsianos (ossos da parte anterior do pé) e também tendinites.


 




10. Evitar atender ao telefone ao mesmo tempo em que realiza outras tarefas, provocando torções excessivas e desnecessárias no tronco.






Tratamento Contra Indicado


         Evitar posições ou exercícios que provocam dor, esses devem ser evitados ou substituídos por outros, progredindo gradativamente, respeitando o limite de dor e a evolução do paciente.


Prevenção

          O paciente deve evitar qualquer postura por tempo prolongado, realizar freqüentemente exercícios para manter a ADM normal, gerando uma postura equilibrada.



Bibliografia


ADAMS, J.C.;HAMBLEN, D.L. Manual de fraturas e lesões articulares. 10. Edição. Porto Alegre: Editora Artes Médicas. 1994. Do à sua atividade normal.
BARROS, Tarcísio E. P. e outros. Lesões da Coluna vertebral nos esportes. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v. 30, nº 10, Outubro, 1995.
CAILLIET, R. Lombalgias: síndromes dolorosas. São Paulo: Editora Manole: 1979 ·p.96- 111.
EITNER, D.; e outros. Fisioterapia nos esportes. São Paulo: Editora Manole, 1984.
KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 3a. Edição. São Paulo: Editora Manole. 1998.
MELLION, Morris B. e col. Segredos em medicina desportiva. Porto Alegre: Editora Artes Médicas. 1997.
CLÍNICA MAYO. Guía de autocuidados (Soluções a los problemas cotidianos de saúde). España, Plaza & Janés, 1999.
BERKOW, Robert; BEERS, Mark H. et al, Manual Merck de informação médica para o lar. Barcelona, Océano, s/f.
Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Diretor geral da edição: Pierre Pichot, Editora Artes Médicas, 1995.
KAPLAN, Harold I.; SADOCK, Benjamin J. et al, Manual de Psiquiatria, Porto Alegre, Artmed Editora, 1998.
BISCHOFF RJ, RODRIGUEZ RP, GUPTA K, et al: A comparison of computed tomographymy elography, magnetic ressonance imaging and myelography in the diagnosis of herniated nucleus pulposus and spinal stenosis. J. Spinal Dis 1993; 6: 289-295.
LONG DM: Decision making in lumbar disk disease. Clin Neurosurg 1991; 39: 36-51.
SHVARTZMAN L, WEINGARTEN E, SHERRY H, et al: Cost effectivenees analysis of extended conservative therapy versus surgical intervention in the management of herniated lumbar intervetebral disc. Spine 1992; 17: 176-182.
SOTIROPOULOS S, CHAFETZ N, LANG P, et al: Differentiation between postoperative scar and recurrent disk herniation: Prospective comparsion of MR, CT and contrast enhanced CT. AJNR 1989; 10: 639-643.
CECIL. "Tratado de Medicina Interna" 2o Edição. São Paulo, 1992.
GUYTON, A.C. "Tratado de Fisiologia Médica".6º- edição,Rio de Janeiro,1984.
O'SULLIVAN, S.B. & SCMITZ, T.J. "Fisioterapia - Avaliação e Tratamento" . 2o Edição. Manole. São Paulo, 1993.
RODRIGUES, E.M. & GUIMARÃES, C.S. "Manual de Recursos Terapêuticos" Revinter. Rio de Janeiro, 1998.
UMPHRED, D. A. "Fisioterapia Neurológica". 2o edição. Manole, 1994.

2 comentários:

Deixe aqui se comentário