Vídeos relacionados

Loading...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Lombalgia


          A lombalgia, Dor lombar, lumbago ou dor nas costas é a dor que pode ser aguda ou crônica, na região lombar inferior e afeta a maioria das pessoas em algum estágio da vida. Uma lombalgia aguda pode ser causada por evento traumático, como acidente de carro ou queda. Ela aparece subitamente e a pessoa geralmente é capaz de identificar o que aconteceu. Nos casos de lombalgia aguda as estruturas danificadas geralmente são os tecidos moles como músculos, ligamentos e tendões. No caso de acidente grave, fraturas vertebrais na espinha lombar podem ocorrer. Lombalgia crônica ocorre por um longo período de tempo e tem como causas mais comum: osteoartrite, artrite reumatóide, tumores (incluindo câncer), degeneração dos discos entre a vértebra ou hérnia no disco lombar, más posturas.



Lombalgia não é  uma doença e sim um sintoma.


Causas
As causas que estão na origem da lombalgia são variadas:
   -excesso de peso corporal/obesidade;
   -adoção de posturas incorretas quando se está sentado ou de pé durante longos
           períodos de tempo;
    -levantamento de peso excessivo e/ou por um período de tempo prolongado,
            principalmente se realizado de uma forma inadequada;
    -infecções virais/ síndromes gripais;
    -menstruação ou síndrome pré-menstrual;
    -hérnias discais na região lombar;
    -doenças articulares degenerativas e/ou inflamatórias de diversos tipos;
    -traumatismos da região lombar, com ou sem fratura;
    -fratura dos ossos da coluna lombar por doenças que fragilizam os ossos
           (por exemplo, osteoporose);
    -cólica renal;
    -infecção renal;
    -algumas doenças (benignas ou malignas) que afetam o útero e o ovário;
    -Processos degenerativos discais e articulares;
    -más-formações congênitas,
    - hérnias discais;
    -escorregamentos vertebrais (Listeses);
    -estenose de canal vertebral, muitas vezes pré-existentes, já de longa data,
           em determinado momento, em virtude de esforços inadequados;
    -vícios posturais;
    -quedas.
          Todos esses mecanismos, processos, causas, descrito anteriormente passam a desencadear sintomatologia dolorosa.
           Quando pensamos em um indivíduo com queixa de Lombalgia, devemos ter em mente que esta sintomatologia pode ser originária de problemas próprios da coluna, de vícios posturais ou, ainda, decorrente de alterações em outros órgãos.
          Doenças intra-abdominais tais como apendicite, aneurismas, doenças renais, infecções da bexiga, infecções pélvicas, distúrbios ovarianos, tumores, processos vesiculares entre outras, podem causar dor referida na região lombar.
          Sem dúvida, de todas as causas de lombalgia na população economicamente ativa, os vícios posturais respondem pela grande maioria das queixas lombares em prontos socorros.

Diagnóstico da lombalgia
         Geralmente é complexo obter um diagnóstico das causas por trás da lombalgia e seus sintomas relacionados, como ciática. Um diagnóstico completo geralmente é feito através da combinação do histórico médico do paciente, exame físico e, quando necessário, testes diagnósticos como raios-X e ressonância magnética.
          Toda vez que estivermos diante de uma queixa de lombalgia, secundária a alguma doença de base, a história clínica e um exame clínico minucioso podem determinar o grau de incapacidade gerado por esta doença.
          Hiper contratura para vertebral, desvios antálgicos, dificuldade de flexão e lateralização, marcha antálgica, alterações de reflexos, são achados freqüentes observados nos exames clínicos de pacientes com sintomatologia verdadeira, como os portadores de hérnia discal aguda.
Existem várias doenças que podem estar na origem de uma lombalgia, pelo que é importante conhecer as características da dor e os sintomas associados, bem como fazer um exame físico completo. Também se podem realizar vários exames com o objetivo de avaliar melhor todas as estruturas anatômicas da região lombar, tais como Raios-X, Tomografia, Ressonância.


Sintomas
         A lombalgia é por si mesma um sintoma. Consiste numa dor localizada na região lombar da coluna vertebral. Esta dor tem várias causas. Se a causa for o excesso de peso corporal, a dor pode persistir enquanto esse excesso persistir.
Se a causa for uma má postura, um exercício de levantamento de peso excessivo ou inadequado ou por um período de tempo prolongado, a dor pode surgir imediatamente ou após algumas horas.
          Dependendo das estruturas anatômicas lesadas (ossos, músculos, articulações ou nervos), a dor pode irradiar para as nádegas e/ou coxas. A lombalgia pode ser mais intensa nos dois ou três primeiros dias, diminuindo de intensidade nos dias ou semanas seguinte, ou persistir com a mesma intensidade durante longo período de tempo.
Freqüentemente as causas da lombalgia dão origem a um espasmo muscular, que acarreta o aparecimento de dor, que por sua vez produz maior espasmo muscular. Torna-se então necessário interromper este ciclo vicioso com algumas intervenções terapêuticas.

Tratamento
          Para alívio da dor, o médico pode prescrever medicamentos analgésicos (por exemplo, ácido acetilsalicílico, acetaminofeno, ibuprofeno) e medicamentos relaxantes musculares, que eliminam a dor, mas não aceleram a cura da causa desencadeante. Por vezes é necessária a hospitalização e a cirurgia para se tratarem algumas causas de lombalgia. Durante o período de recuperação, não devem ser realizadas atividades que possam atrasar o processo de cura ou fazer reaparecer o problema.
          Para dor persistente, o reumatologista é o indicado, pela sua visão geral do paciente, na busca do diagnóstico definitivo, no importante diagnóstico diferencial, visto que várias doenças podem levar à dor lombar, proporcionando um tratamento dirigido à causa específica da dor. O uso de medicamentos é primordial, muitas vezes sendo necessário o recurso de antidepressivos para controle do quadro.
          A reabilitação está indicada para melhora da dor, podendo ser utilizados procedimentos fisioterápicos, já numa fase mais tarde sem a presença de dor podem ser indicados exercícios de correção postural, alongamentos e de reforço de musculatura abdominal. Em certas situações, procedimentos cirúrgicos são necessários para a resolução de um problema mecânico, como grandes desvios, hérnias de disco com comprometimento neurológico.
          O Tratamento Fisioterápico segue a mesmo indicado para o tratamento de hérnia discal, sendo na fase crônica, a utilização de calor profundo e superficial, e correntes elétricas, que tem o intuito serem analgésicas e antiinflamatórias. A Fisioterapia manual, que seria Osteopatia, Reeducação Postural Global, visam o alongamento como conseqüência de suas manobras então são apresentam ótimos resultados sobre a disfunção.

Prognóstico
           O prognóstico costuma ser muito bom. Em 90% dos casos a dor desaparece em até 15 dias, nos outros 10%, os sintomas podem ser mais duradouros, mas a maioria estará bem em até 3 meses. Felizmente, são poucos os casos em que há uma evolução ruim, com cronificação dos sintomas, porém, as crises de lombalgia podem se repetir, sendo importante adotar atitudes saudáveis e entrar num programa regular de exercícios para evitar que isso aconteça.

Formas de prevenção
             Existem várias formas de prevenir o aparecimento da lombalgia:
            -evitar o excesso de peso corporal;
            -manter uma postura correta em pé (cabeça e tronco direitos, peito para fora, caminhando de uma forma que permita a distribuição do peso corporal pelas duas pernas);
            -manter uma postura correta sentado (apoiar bem as costas na cadeira, ter os pés bem assentes no chão, com os joelhos fletidos em ângulos retos. A manutenção de uma boa postura enquanto sentado também depende da existência de mobiliário ergonomicamente adaptado ao corpo;
            -manter uma postura correta deitado, dormindo num colchão firme, duro ou num colchão de água;
            -manter uma postura correta ao levantar um peso (segurá-lo junto ao corpo, dobrar só os joelhos, deixar as pernas levantá-lo fazendo o movimento de levantar ou baixar sempre com o corpo direito);
          -praticar exercício físico regularmente, de uma forma moderada e adaptado às possibilidades físicas do paciente, com o objetivo de melhorar a forma física (força, flexibilidade e capacidade aeróbica). As melhores modalidades são o andar a pé, andar de bicicleta e nadar. Devem preferir-se as atividades aeróbicas e evitar modalidades que imponham uma grande sobrecarga à região lombar.
          A melhor forma de evitar o aparecimento da doença é através da prática de alongamento, de duas a três vezes por semana. Além disso, nos trabalhos em que se passa a maior parte do tempo sentado, é preciso verificar se há recurso de ajuste do encosto e da altura da cadeira. A mesa deve ficar na altura do cotovelo. Sentar bem encostado e alinhado com o eixo da cadeira também é muito importante.
          Além disso, devem-se evitar torções do tronco e do pescoço, como pegar um objeto atrás do corpo ou segurar o telefone com os ombros. E nunca se esquecer de fazer uma pausa a cada hora de trabalho para dar uma espreguiçada, caminhar um pouco, para só depois sentar novamente.
          Quando estiver em casa, evitar realizar tarefas com os mesmos padrões de movimento das atividades do trabalho. Também é fundamental dedicar um tempo, durante a semana, para praticar algum tipo de exercício físico ou participar da ginástica laboral da empresa. Esses conselhos são válidos para todas as pessoas, como forma de evitar e amenizar a lombalgia.

Considerações finais
          A dor (algia) localizada na região lombar (lombalgia) é considerada, nos dias de hoje, como uma das grandes causas de absenteísmo nas indústrias. Acredita-se que ela acometa, em algum momento da vida, até cerca de 90% da população adulta, sendo que na grande maioria das vezes ela incidirá mais de uma vez. Cresce significativamente a procura pelo tratamento fisioterápico nos centros especializados dessas algias provocadas principalmente por más posturas.
          Existem inúmeras formas de correções posturais, RPG, Pilates, Yoga, Osteopatia e etc., o paciente tem que procurar aquela em que consiga adaptar-se melhor, que goste de realizar, que seja prazeroso e não torturante. A escolha de um bom profissional, devidamente habilitado também é imprescindível, todo e qualquer procedimento a ser realizado deverá ser realizado por profissionais na qual se especializaram e tenham pelno conhecimento sobre o assunto, por tanto cuidado para não serem enganados.

sábado, 28 de agosto de 2010

Protusão Discal

          Segundo o Dicionário Médico Ilustrado Dorland define a hérnia como sendo a protrusão anormal de um órgão ou outra estrutura do corpo através de um defeito ou uma abertura natural em um invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso. Portanto, toda hérnia é uma protrusão. Mas nem toda protrusão é uma hérnia. Para que se constitua em hérnia, a protrusão deve ir além da abertura natural do invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso; ou rompê-lo. Essa é a diferença entre protrusão discal e hérnia de disco. Na chamada protrusão discal, o disco não rompe o anel fibroso. Na hérnia discal ocorre ruptura do anel fibroso em volta do disco intervertebral, e projeção do disco além desse anel, saindo da cavidade que o contém, conforme mostrado na figura abaixo.




Sintomatologia
          Esta lesão é caracterizada por dor local, que é aumentada pelo tossir e espirar, pelo espasmo da musculatura paravertebral e antalgia da coluna lombar. Quando ocorre pressão nas raízes nervosas vertebrais, cria-se uma dor que se irradia pela perna. Essa compressão nervosa pode acarretar déficit de força muscular nos membros inferiores
          Os sintomas mais comuns são: Parestesias (formigamento) com ou sem dor na coluna, geralmente com irradiação para membros inferiores ou superiores, podendo também afetar somente as extremidade (pés ou mãos).
Causas          Segundo Adersson GBJ, 1992 e Magnusson ML, Pope ML, Wilder DG, 1996, as causas principais são de quem sofre exposição à vibração por longo prazo combinada com levantamento de peso, ter como profissão dirigir e realizar freqüentes levantamentos são os maiores fatores de risco pra lesão da coluna lombar. Cargas compressivas repetitivas colocam a coluna em uma condição pior para sustentar cargas mais altas, aplicadas diretamente após a exposição à vibração por longo período de tempo, tal como dirigir diversas horas

Entre fatores ocupacionais associados a um risco aumentado de dor lombar estão:

Trabalho físico pesado
• Postura de trabalho estática
• Inclinar e girar o tronco freqüentemente
• Levantar, empurrar e puxar pesos
• Trabalho repetitivo
• Vibrações
• Psicológicos e psicossociais


Tratamentos

Medicamentosos
         Geralmente com injeções de analgésicos, antiinflamatórios e relaxantes musculares na fase aguda e o controle com medicamentos orais, para os mesmos fins, para a fase crônica.

Tratamento Cirúrgico
          Quando o tratamento conservador não estiver fazendo efeito e o paciente não conseguir realizar suas atividades diárias.
Fisioterapia Convencional
          Fisioterapia Traumato - Ortopédica: Eletroterapia (TENS, Endofasis, Corrente Interferencial, Ultra Som), Termoterapia (Ondas Curtas, Infra vermelho), Fototerapia, Cinesioterapia (Exercícios passivos, tração, alongamentos e exercícios ativos), Hidroterapia, Massagem para relaxamento da musculatura.
Fisioterapia manual
          A disfunção dos tecidos moles pode alterar o movimento articular e diminuir a eficácia da mobilização-alongamento da articulação. É por isso que o tratamento freqüentemente começa com este procedimento visando diminuir a dor e o espasmo muscular ou aumentar a mobilidade dos tecidos moles. Esses procedimentos auxiliares podem também tornar mais fácil a realização da mobilização das articulações, produzindo um efeito mais duradouro. Dentre as técnicas de fisioterapia manual utilizamos a Osteopatia, Maitland, Mulligan e mobilizações articulares.

Mesa de Tração Eletrônica
          Grandes fabricantes de equipamentos terapêuticos e cientistas americanos investiram seriamente em pesquisas durante décadas enquanto aprimoravam técnicas seguras e eficazes de utilizar a tração vertebral e melhorar seus benefícios. Pesquisas realizadas nos EUA mostram que técnicas de tração vêm sendo usadas com sucesso, durante anos, no tratamento das discopatias e doenças degenerativas da coluna vertebral.

Musculação ou Pilates
Musculação
          Após o término das sessões previstas é fundamental buscar alternativas para manter os benefícios decorrentes do tratamento. Serão necessários estímulos freqüentes e graduais que garantam a integridade das estruturas músculo-esquelético envolvidas e previnam contra novas crises. A opção eficiente e segura é um programa de exercícios de musculação que incluem os principais componentes da aptidão física relacionados à saúde (potência aeróbica, força e flexibilidade) ajustados de acordo com a especificidade da situação e supervisionados por profissionais de Educação Física


Pilates
         O método, preconiza alcançar um desenvolvimento do corpo de forma uniforme, objetivando uma melhora no condicionamento físico e mental com exercícios globais, isto é, que exigem um trabalho do corpo todo, utilizando diferentes aparelhos e equipamentos. Através dos seus princípios, concentração, fluidez, controle, respiração, centro de força, postura o praticante do método irá melhora sua consciência corporal, flexibilidade, equilíbrio e força muscular.

RPG/RPM - Reeducação Postural Global/Reequilíbrio Proprioceptivo Muscular
          A RPG/RPM, que tem como um de seus princípios básicos identificar e alongar os músculos responsáveis pela alteração postural, realinhar, fortalecer e reeducar o corpo, fazer com que o corpo tenha consciência corporal, através da propriocepção corporal, atuando sobre as cadeias musculares de uma maneira global e os músculos de maneira analítica.





Mesa de RPG







Acupuntura
          Consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele, denominados “meridianos” ( canais de energia, onde se localiza “pontos“ que deverão ser estimulados tanto para sedação , como para tonificação, com o objetivo de equilibrar a energia vital do ser humano ). Podem ser utilizados neste processo: agulhas, ventosas, massagens, e até o calor proveniente da queima da moxa, preparada à partir da erva artemísia (moxabustão).

 
Como Prevenir?
          A prevenção da Hérnia de Disco é realizada com a Higiene Postural. A Higiene Postural é na verdade saber lidar com o corpo em diversas situações cotidianas, por exemplo: saber abaixar corretamente, levantar da cama, ergonomia no local de trabalho, exercícios corretos na sua atividade física regular; ou seja, consciência corporal. A Reeducação postural global atua nesta consciência corporal, alongando, fortalecendo, reeducando a postura.


Qual profissional procurar?
          Deve-se Procurar inicialmente o Médico Traumato- Ortopedista para realizar o Diagnóstico Médico e tratamento medicamentoso. Após, procurar um Fisioterapeuta para realizar o Diagnóstico Fisioterapêutico e Tratamento Reabilitativo.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Hérnia de Disco

          A Hérnia de Disco se dá quando uma parte, ou até mesmo o disco inteiro, “escorrega” para trás ou para o lado. O disco é composto por um núcleo, que chamamos de núcleo puposo e por um anel redondo, chamado de anel fibroso. Tanto o núcleo quanto o anel podem escorregar, causando uma pequena hérnia, denominada protusão ou uma hérnia maior, quando afeta essas duas composições. Os especialistas explicam que embora tenhamos discos entre todas as vértebras: cervical, dorsal ou lombar, a hérnia mais comum é a da região lombar. Na grande maioria das vezes, a hérnia é causada por fatores degenerativos
          Com o passar do tempo, o disco perde altura e água, e vai se degenerando. As fibras começam a apresentar alterações e isso, associado ao nosso estado de “andar em pé”, tende a romper para trás, o que provoca a hérnia posterior. Existe ainda a hérnia póstero-lateral, quando escorrega para trás e para o lado, podendo comprimir algumas raízes nervosas e, no caso da coluna lombar, raízes do ciático, provocando as conhecidas “dores ciáticas”, que podem irradiar até o pé, gerando “queimação” e “formigamento”. É geralmente entre L4 e L5 e entre L5 e S1 comprimindo as raízes L5 e S1, respectivamente. Mesmo sendo incomum, há herniação L3 e L4. (CECIL, 1992).

          A maioria dos casos é tratada de forma conservadora, ou seja, através de medicamentos, repouso nas crises, orientação postural, fisioterapia e alongamento muscular. Somente quanto o tratamento não evolui é que o paciente é conduzido para uma cirurgia
          Os fatores etiopatogênicos são: traumas, infecções, malformações congênitas, doenças inflamatórias e metabólicas, neoplasias, distúrbios circulatórios, fatores tóxicos, fatores mecânicos e psicossomáticos.


Tratamento clínico

Há dois tipos de tratamento para a Hérnia:
O tratamento tem o objetivo de restabelecer a estabilidade da coluna vertebral comprometida com a ruptura da estrutura discal. Não basta sedar a dor, mas sim restabelecer o equilíbrio da unidade funcional. O tratamento pode ser conservador como repouso, bloqueio anestésico, uso de analgésicos e antiinflamatórios, calor, fisioterapia e reeducação através de exercícios corporais.
Já a cirurgia é aconselhada para garantir o restabelecimento da resistência e estabilidade da coluna vertebral. Sendo esta uma estrutura que suporta grandes cargas, apenas a retirada da hérnia não alcança esse objetivo principal, sendo necessário à fixação dos elementos operados.
Assim, cirurgias de apenas ressecção parcial ou total do disco, estão fadadas ao descrédito, pois em seus resultados a médio e longo prazo os pacientes revelam-se incapacitados para exercer atividades físicas e, na maioria das vezes, há uma reincidência do quadro álgico.
Quando a hérnia ocorre na região cervical, a dor é uma cérvico-braquialgia, ou seja, inicia-se no pescoço e se irradia pelo braço. Além da dor, pode haver alterações da sensibilidade (parestesia).

Tratamento Fisioterápico

          O objetivo é recuperar a função, desenvolver um plano de assistência a saúde da coluna e orientar o paciente sobre como evitar recorrências de protusão de disco. Com a fisioterapia, Adquirimos liberação, relaxamento da musculatura contraturada, fortalecimento dos músculos abdominais e da região dorsolombar e desenvolvimento de apoio muscular ao redor da coluna
          Pacientes que apresentam sintomas graves devem permanecer em repouso no leito e realizar apenas caminhadas curtas em intervalos regulares. A caminhada provoca uma extensão lombar e estimula o mecanismo dos líquidos, promovendo diminuição do edema no disco e nos tecidos conectivos. Se o paciente não conseguir permanecer ereto, deverá utilizar muletas, que melhoram a postura, evitando a postura inclinada para frente. Para pacientes que não conseguem realizar flexão repetida, devemos evitar esse movimento e enfatizar o tratamento em movimentos de extensão. Procedimentos: em decúbito ventral, colocar travesseiros no tórax do paciente e ir aumentando progressivamente a quantidade de travesseiros até o paciente conseguir se apoiar nos cotovelos. O paciente deve permanecer nessa posição de 5 a 10 minutos, para promover a extensão, permitindo o deslocamento do disco com subseqüente centralização ou diminuição dos sintomas. Se o paciente tolerar esse movimento, deverá realizá-lo várias vezes ao dia.
           Para corrigir desvios laterais, procedimento: "coloque o paciente em decúbito lateral, com o lado do desvio torácico para baixo. Um pequeno travesseiro ou rolo de toalha é colocado sob o tórax. O paciente permanece nessa posição até que a dor centralize; então vira para o decúbito ventral e começa a fazer extensão passiva com flexões de braço em decúbito ventral".
         Quando o paciente iniciar os movimentos de flexão, ele deve realizar exercícios de protusão anterior. Procedimento: em decúbito dorsal o paciente traz os joelhos até o tórax e mantém essa posição durante alguns minutos, essa posição deve ser repetida várias vezes e progredir, realizando o movimento sentado e em pé, esses exercícios de flexão da coluna diminuem a dor porque alargam os forames.
         A tração pode ser tolerada pelo paciente durante o estágio agudo e tem a vantagem de alargar o espaço discal e possivelmente reduzir a protusão nuclear diminuindo a pressão no disco, ou colocando tensão no ligamento longitudinal posterior.
         Orientar o paciente sobre percepção postural, estabilização, exercícios de fortalecimento de tronco, e aumento da resistência à fadiga; além de recomendar exercícios de fortalecimento de membros inferiores para dar suporte ao corpo e para usar o mecanismo corporal. Também devem ser fortalecidos os membros superiores para desviar a sobrecarga do tronco.
         Avaliar as atividades de vida diária (AVDS) do paciente, e verificar se elas interferem na patologia, orientar o paciente a evitar posturas de flexão, mas se não for possível, a cada meia hora deverá realizar inclinação da coluna para trás, evitando a progressão dos sintomas.
         Eletroterapia: as correntes dinâmicas, as correntes de interferência e o ultra-som devem ser aplicados nesses pacientes, bem com aparelhos que causem analgesia e calor, o Laser é uma opção plausível.
         Reeducação Postural Global (R.P.G.), para fins de correção postural, orientações, exercícios ativos e a orientação postural, que ensina ao paciente como realizar exercícios significativos durante suas atividades de vida diária,
          Hidroterapia é indicado pois a água evita com que ó disco sofra compessão durante os exercícios, esses exercícios devem ser realizados de maneira cautelosa, sempre acompanhada de um profissional fisioterapeuta.
          Alongamento devem ser realizados todos os dias, necessários para manter a musculatura preparada para as AVD's previnem o aparecimento de contraturas, estiramentos e favorecendo assim a mobilidade da coluna vertebral, quando a presença de dor, é necessário tomar alguns cuidados, sempre peça orientação de exercícios ativos, tais como os alongamentos, para um profissional fisioterapeuta.


Orientação Postural


          A postura é um fator importante no dia a dia, para que possamos evitar as dores musculares e articulares. A má postura por si só causa dor, ainda mais se estamos realizando uma tarefa em situação de má postura, dormindo em colchão inadequado, e pior ainda, em posição incorreta. Situações no dia-a-dia podem evitar diversos fatores que podem gerar lesões ou desvios que, juntamente com a dor, propiciarão desconfortos e problemas futuros. A má postura pode ser evitada com simples atitudes que serão listadas abaixo:




1. Ande o mais ereto possível, (imagine-se caminhando equilibrando um livro na cabeça) endireite seu corpo, olhe acima do horizonte ao andar.








2. Evite dobrar o corpo quando, estando em pé, realizar um serviço sobre uma mesa, balcão, bancada, levante o que está fazendo.









3. Quando estiver sentado, não cruzar as pernas, manter as costas retas, usar todo o assento e encosto.





4. Dormir sempre de lado, com as pernas encolhidas, travesseiro na altura do ombro, não muito macio que mantenha a distância do colchão, usar colchões com densidade adequada a seu peso e altura. (D 23, 28, 33, etc) Para casais, existem colchões com densidades diferentes em cada lado.(D 28 com D 25, D 33 com D 28 etc) Cama com estrado firme, e que não deforme com o seu peso.

 



 5. Evitar levantar pesos do chão, acima de 20 % do seu peso corporal, abaixe-se como um halterofilista.


  






6. Não colocar pesos acima dos ombros e cabeça em prateleiras altas, use um banco.





 



7. Não carregue bolsas pesadas inutilmente, durante o dia todo. Não carregue bolsas de um mesmo lado, divida o peso, carregando com os dois braços.




8. Evitar torções do pescoço ou do tronco, evite assistir TV e ler na cama.



 

 9. Evitar uso prolongado de sapatos altos, eles além de provocar dores nas costas por interferir no centro de equilíbrio do corpo (fig. 9)e conseqüente esforço muscular para equilibrar, (fig.9.a) também sobrecarregam a parte anterior no pé, provocando (especialmente se forem do tipo "bico fino") ou piorando o joanetes, provocando dores por sobrecarga nas cabeças dos metatarsianos (ossos da parte anterior do pé) e também tendinites.


 




10. Evitar atender ao telefone ao mesmo tempo em que realiza outras tarefas, provocando torções excessivas e desnecessárias no tronco.






Tratamento Contra Indicado


         Evitar posições ou exercícios que provocam dor, esses devem ser evitados ou substituídos por outros, progredindo gradativamente, respeitando o limite de dor e a evolução do paciente.


Prevenção

          O paciente deve evitar qualquer postura por tempo prolongado, realizar freqüentemente exercícios para manter a ADM normal, gerando uma postura equilibrada.



Bibliografia


ADAMS, J.C.;HAMBLEN, D.L. Manual de fraturas e lesões articulares. 10. Edição. Porto Alegre: Editora Artes Médicas. 1994. Do à sua atividade normal.
BARROS, Tarcísio E. P. e outros. Lesões da Coluna vertebral nos esportes. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v. 30, nº 10, Outubro, 1995.
CAILLIET, R. Lombalgias: síndromes dolorosas. São Paulo: Editora Manole: 1979 ·p.96- 111.
EITNER, D.; e outros. Fisioterapia nos esportes. São Paulo: Editora Manole, 1984.
KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 3a. Edição. São Paulo: Editora Manole. 1998.
MELLION, Morris B. e col. Segredos em medicina desportiva. Porto Alegre: Editora Artes Médicas. 1997.
CLÍNICA MAYO. Guía de autocuidados (Soluções a los problemas cotidianos de saúde). España, Plaza & Janés, 1999.
BERKOW, Robert; BEERS, Mark H. et al, Manual Merck de informação médica para o lar. Barcelona, Océano, s/f.
Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Diretor geral da edição: Pierre Pichot, Editora Artes Médicas, 1995.
KAPLAN, Harold I.; SADOCK, Benjamin J. et al, Manual de Psiquiatria, Porto Alegre, Artmed Editora, 1998.
BISCHOFF RJ, RODRIGUEZ RP, GUPTA K, et al: A comparison of computed tomographymy elography, magnetic ressonance imaging and myelography in the diagnosis of herniated nucleus pulposus and spinal stenosis. J. Spinal Dis 1993; 6: 289-295.
LONG DM: Decision making in lumbar disk disease. Clin Neurosurg 1991; 39: 36-51.
SHVARTZMAN L, WEINGARTEN E, SHERRY H, et al: Cost effectivenees analysis of extended conservative therapy versus surgical intervention in the management of herniated lumbar intervetebral disc. Spine 1992; 17: 176-182.
SOTIROPOULOS S, CHAFETZ N, LANG P, et al: Differentiation between postoperative scar and recurrent disk herniation: Prospective comparsion of MR, CT and contrast enhanced CT. AJNR 1989; 10: 639-643.
CECIL. "Tratado de Medicina Interna" 2o Edição. São Paulo, 1992.
GUYTON, A.C. "Tratado de Fisiologia Médica".6º- edição,Rio de Janeiro,1984.
O'SULLIVAN, S.B. & SCMITZ, T.J. "Fisioterapia - Avaliação e Tratamento" . 2o Edição. Manole. São Paulo, 1993.
RODRIGUES, E.M. & GUIMARÃES, C.S. "Manual de Recursos Terapêuticos" Revinter. Rio de Janeiro, 1998.
UMPHRED, D. A. "Fisioterapia Neurológica". 2o edição. Manole, 1994.

Coluna Vertebral, Anatomia, Patologias e Tratamento


          As vértebras compõem-se pelas seguintes estruturas: corpo, pedículos, lâmina e apófises. O corpo vertebral, nesta posição, suporta as forças de carga e pressão e é composto por uma estrutura óssea esponjosa, apresentando uma placa cartilaginosa na sua porção superior e inferior. Varia de altura e de diâmetro conforme o segmento vertebral onde se localiza. Os corpos das vértebras cervicais são de menor diâmetro e altura, sendo a porção mais alta da coluna na posição ortostática. Os corpos dorsais ou torácicos aumentam progressivamente a sua altura e diâmetro, apresentando um aspecto cilíndrico. Os corpos vertebrais lombares são achatados e largos por constituírem as vértebras que suportam as maiores pressões da coluna vertebral. As vértebras sacras são fusionadas entre si, constituindo-se num osso que apresenta forma triangular. Este por sua vez articula-se com o ilíaco na região pélvica, apresentando a base fixa da coluna vertebral e sua relação com a pelve ou bacia.

          A coluna vertebral é composta por quatro curvas fisiológicas assim formadas: curva cervical, com 7 vértebras, a dorsal com 12, a lombar com 5, a sacra também com 5 vértebras e a coccígena variando de 3 a 4 estruturas. 

          O conjunto de curvas exerce entre si um fenômeno compensatório, pois as lordoses se compensam com as cifoses e vice-versa. Este fenômeno auxilia na descarga do peso corporal. Se não houvesse essas curvas, a base da coluna lombar suportaria pressões de até 1.000 Kg num homem de 70 Kg na posição sentada.

          Existem muitas patologias relacionadas a postura tais como: 

- Hérnia de disco
- Protusão discal
- Lombalgia
- Cervicalgia
- Dor nas costas
- Dor Ciática
- Uncoartrose
- Lordose
- Escoliose
- Degeneração Discal
- Espondilolistese
- Cifose
- Espondilólise
- Osteopenia e Osteoporose

Todas as patologias relacionadas serão descritas comentadas neste blog http://fisioterapianota10.blogspot.com